noticia, análise de produtos, dicas, tutoriais, acessórios e apps

Mulheres gamer quebram barreiras para conquistar espaço no mercado

Gamer não são novidades nesse mundo de jogos e as mulheres sofrem com isso

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

gamers

Episódio estreou dia 12 de julho e mostra a rotina da Gamer CherryGumms , líder do time Black Dragons, e de Paola Buzz, YouTuber que produz gameplays

Ganhar a vida como atleta profissional de esportes eletrônicos não é uma tarefa fácil. O segmento ainda carrega rótulos e preconceitos.
cris_fabio_tito menina gamer
Este cenário se mostra ainda mais desafiador quando o competidor é do sexo feminino. Além do olhar desconfiado daqueles que pouco conhecem o setor, elas se sentem segregadas também entre alguns colegas de profissão.
Mesmo com esses obstáculos, uma pesquisa recente apontou que 52,6% dos brasileiros que declaram ser usuários de algum game são mulheres*, provando a força que elas vêm alcançando neste setor.

gamer-esports

            O trajeto das mulheres que conquistaram seu espaço no mercado profissional de jogos é retratado no terceiro e último episódio da websérie “Eu Sou Gamer”, produzida pela AOC.  CherryGumms, líder do time Black Dragons, e Paola Buzzone, YouTuber que produz gameplays, contam como é a rotina e quais os desafios femininos que precisaram ser superados para alcançar o sucesso.

Segundo Paola Buzzone, muitas gamer abandonam a carreira antes mesmo de chegar a um nível de reconhecimento neste mercado.

“Eu conheço várias meninas que começaram na minha época e que tinham tanto potencial quanto eu, mas desistiram por causa da pressão, do preconceito e dos xingamentos. A galera pega pesado e xinga mesmo. Costumam dizer que devemos estar lavando louça em vez de jogar”, afirma a YouTuber, famosa pelo seu canal de gameplays do jogo League of Legends.
   Outro exemplo de superação e quebra de barreiras é CherryGumms.

CherryGumms

Com apenas 19 anos, a competidora disputa campeonatos nacionais e internacionais de jogos de FPS (tiro em primeira pessoa), geralmente relacionados pelo público a jogadores homens.gamer, que também tem um canal no YouTube, já pensou em desistir, mas resistiu e atualmente incentiva outras garotas a seguirem o mesmo caminho.
“Eu nunca quis entrar para o mundo dos jogos por brincadeira, sempre quis ser uma profissional.

Lidar com isso é muito difícil, ainda mais por ser mulher e a única na América Latina a disputar campeonatos de Rainbow Six Siege”, afirma a gamer

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarLeia mais